Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Temposnotempo

Este é um blogue instrumental, feito sem veleidades. Penso nos meus alunos e na forma de o usar para lhes ser útil: experiência que se quer alimentada de experiências... e de invenções dos tempos que não temos tempo para ter...

Este é um blogue instrumental, feito sem veleidades. Penso nos meus alunos e na forma de o usar para lhes ser útil: experiência que se quer alimentada de experiências... e de invenções dos tempos que não temos tempo para ter...

Temposnotempo

07
Out11

ARQUITECTURA ROMÂNICA EM PORTUGAL

temposnotempo

- Para o estudo da Arquitectura Românica deixo-vos alguns exemplos principais:

 

 1. Sé Velha de Coimbra (1ª metade do século XII) - D. Afonso Henriques:

 

 

 

 

2. Igreja de Santiago -  Coimbra (finais do século XII-início do século XIII) - D. Sancho I:

 

 

     

 

 

 3. Sé de Lisboa (1150...) - D. Afonso Henriques, depois da conquista de Lisboa aos mouros, no local da antiga mesquita muçulmana:

 

 

 

 

http://www.ezimut.com/pois/se-de-lisboa/attachment/se_lisboa_interior

 

 

4. Igreja de S. Pedro de Rates (Póvoa do Varzim) - (1100...) - Condes D. Henrique e D. Teresa:

 

Ficheiro:Igreja de Rates.JPG

 

 

Ficheiro:Sao Pedro de Rates Church2.jpg Interior

 

 

 Cabeceira exterior

 

 

http://pt.wikipedia.org/wiki/Igreja_de_S%C3%A3o_Pedro_de_Rates

31
Out10

A PESTE NEGRA

temposnotempo

 

 

   Pormenor de uma pintura da Flandres (A Peste Negra em Tournai)

http://umolharsobreomundodasartes.blogspot.com/2009/10/acontecimento-peste-negra.html

 

 

Muito do nosso imaginário europeu, no que se refere ao século XIV, está ligado a um acontecimento absolutamente trágico - creio mesmo que o mais trágico de sempre, olhando à percentagem (aproximada, uma vez que não se possuem números exactos) do número de vítimas (entre 30 e 40% da população europeia, em média, conforme as regiões - várias dezenas de milhões de mortos, portanto): a "Peste Negra".

 

 

 

 

A peste, nesses tempos recuados (documentada já no século V a.c., em Atenas, por exemplo, onde Péricles morreu de peste)  era um fenómeno habitual, endémico.

 

Sem perceberem as suas causas (nada se sabia então sobre vírus, bactérias, infecções), julgavam que a peste era um castigo divino. Mas ao mesmo tempo foram percebendo a ligação que existia entre os períodos de peste e a chegada às cidades de comerciantes estrangeiros provenientes de zonas contaminadas.

 

Não dispondo de meios científicos para a debelarem, só restava a esses homens e mulheres, para além desse controlo de chegadas, a fuga desesperada quando os primeiros casos se declaravam, na tentativa desesperada de se afastarem dos infectados.

 

Quando já era tarde ou não o podiam fazer, restava-lhes recorrer aos meios de combate disponibilizados (totalmente ineficazes) pelos escassos meios "médicos" existentes: o isolamento dos doentes; as fumigações e a queima das roupas, casas e pertences dos infectados; as rezas e procissões expiatórias (em que os participantes se auto-flagelavam com chicotes e outros instrumentos agressores); as danças místicas; poções e unguentos "mágicos" e pouco mais. São tempos de obscurantismo e, por isso, da prática de atrocidades terríveis: na Alemanha, na França, na Catalunha, por exemplo, as populações culpam e massacram os judeus, acusados em muitos casos de terem envenado a água dos poços.

 

 

  

   Médico da época com um vestuário anti-peste

 

      http://pt.wikipedia.org/wiki/Peste_negra

 

 

Classicamente as causas desta epidemia, considerada uma "peste bubónica" foram atribuídas a bactérias do tipo da "Yersinia pestis", tendo os ratos e as pulgas como veículos da inoculação principais. Presentes nos ratos, eram essas bactérias transmitidas às pulgas que, depois, ao picarem os seres humanos, lhas inoculavam. Outros meios de inoculação eram possíveis: mordedura de ratos, contacto com cadáveres infectados, inalação de gotículas de saliva contaminada ou contacto com sangue igualmente contaminado.

 

A evolução da doença era rápida e os sintomas horrorosos: verificava-se o aparecimento de chagas ("bubões") que ao multiplicar-se deixavam o corpo todo negro, daí a designação da epidemia que ficou para a História. Mas um outro tipo de sintomas surgiu também então: uma infecção pulmonar que evoluia mutio mais depressa e se transmitia rapidamente pelo ar (saliva).

 

Em Portugal terá entrado em Setembro de 1348, tendo sido as cidades e as zonas de mosteiros as mais afectadas. Calcula-se que cerca de dois terços da população terá sido atacada e cerca de um terço não terá sobrevivido.

Mas o pior é que ao surto de 1348-1350 se seguiram outros que, embora menos mortíferos, ainda debilitaram mais - fisicamente e moralmente - as populações: há registos nos documentos de "peste" em 1356, 1361-63, 1374, 1383-85, 1389, 1400, 1414-16, 1423, 1429, 1432, 1437-39, 1448-52, 1456-58, 1464, 1472, 1477-81 e 1483-87, todas elas com correspondência europeia (sigo, A.H. de Oliveira Marques, Portugal na Crise dos Séculos XIV e XV, Presença, p.21).

 

No entanto, outros estudos têm vindo a alertar para a provável acção conjugada de vírus, de tipo hemorrágico, ou mesmo para o facto de ser essa a causa principal da "pestilência, e estarmos perante uma "peste hemorrágica" e não "bubónica".

 

 

 

No século XVIII a Peste começou a desaparecer da Europa. Em Portugal a última foi em 1899, na cidade do Porto. Hoje a ciência médica dispõe de meios cada vez mais eficazes, embora as epidemias graves continuem a assolar as populações de todo o mundo.

 

13
Out10

Música medieval

temposnotempo

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                            

 

Música na Idade Média! Um tema vasto e delicioso!

 

Para o tempo que atravessamos nesta fase do 8º ano - séculos XI-XIII - , temos no lado da cultura erudita (a das Cortes, dos Reis e da nobresa; a religiosa) a época da afirmação dos Trovadores. Os mais importantes - Adam de la Halle, Bernard de Ventadour e vários outros - são franceses, das terras do sul. São nobres letrados que escrevem as letras e as músicas das suas canções, falando das Cruzadas, das amadas, da Primavera ou da Virgem. Mas este estilo musical espalhou-se por quase toda a Europa, Portugal incluído.

 

No campo da cultura popular, a cultura do povo dos burgos, das cidades ou dos campos, os ritmos são outros, quase sempre mais ritmados e dançantes, adequados ao clima de festa que se associava às romarias e aos mercados-feiras onde se reuniam as gentes e cantores populares ou jograis. Nestes séculos foram moda géneros com as "estampidas" (flauta e tambor), os "virelai", os "rondós", as "frottola", os saltarellos, os "vilancicos", etc..

 

 - Do grupo português "Strella do Dia":

 

 

 

- Dos Trovadores:

 

 

 

 

 - Outros exemplos:

 

 

 

 

 

 

Os instrumentos? Harpas, saltérios, liras, violas de arco, sanfonas, alaúdes, guitarras, trombetas, cornetas, flautas, etc. etc..

 

 

 

Espero que gostem destes exemplos que procurei, dentro dos disponíveis.

 

 

10
Out10

"Permallets and friends"

temposnotempo

 

Deixo uma surpresa! Alertado por uma aluna do 9º ano participante, fui à procura desta orquestra de jovens que neste Verão passou pela Figueira.

 

Do espectáculo que deram no CAE retiro um exemplo fortíssimo - parabéns!! - do excerto mia conhecido de uma cantata famosa do compositor austríaco Carl  Orff, a Carmina Burana escrita em 1937, tendo por base os poemas medievais que a seguir vos refiro e algumas notações musicais breves e dispersas pelo manuscrito.

 

Não é por acaso que faço esta escolha: os Carmina Burana são textos poéticos incluídos num importante manuscrito do século XIII - o Codex Latinus Monacensis - encontrado no século XIX num mosteiro da Alta Baviera (Alemanha).

 

Parabéns à Énia (e certamente a outros alunos da escola que também terão participado) que me deu a dica e também me alertou para a saída de um primeiro disco que já gravaram.

 

 

 

 

18
Set10

O regresso...

temposnotempo

Bem, o ano lectivo arrancou, é um facto!

 

Não saiu propriamente como um Fórmula 1, mas a 1ª semana já passou ("na brasa") e se não arrancarmos daqui ... dando "corda aos sapatos" do Blogue... cruzes!!... só veremos a envolver-nos a núvem do pó!!

 

Portanto: desejos de um bom ano lectivo, com trabalho estimulante, que inquiete, transforme e ... traga sucesso pessoal!!

 

Neste ano as minhas atenções estarão centradas nos alunos que tenho (3º Ciclo): 8º e 9º anos.

 

Para todos (uns para relembrar; outros para recomeçar) deixo-vos uma sugestão, com todas as reservas que os filmes de ficção - apesar da base histórica - nos têm sempre que merecer!

 

Depois falamos!

 

O prof.: FM

 

 

 

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D