Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Temposnotempo

Este é um blogue instrumental, feito sem veleidades. Penso nos meus alunos e na forma de o usar para lhes ser útil: experiência que se quer alimentada de experiências... e de invenções dos tempos que não temos tempo para ter...

Este é um blogue instrumental, feito sem veleidades. Penso nos meus alunos e na forma de o usar para lhes ser útil: experiência que se quer alimentada de experiências... e de invenções dos tempos que não temos tempo para ter...

Temposnotempo

24
Mai11

A ONU E A DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

temposnotempo

 

A ONU na sua acção em defesa da paz, da liberdade e igualdade dos povos, e do respeito pelos direitos das minorias étnicas, religiosas, políticas, etc. e dos mais desfavorecidos, criou, pouco depois de ter iniciado a sua actuação, uma Comissão de Direitos Humanos, com uma importante missão: proceder à elaboração de uma Carta de Direitos que aprofundasse o texto fundador da ONU, pouco preciso quanto a isso.

 

A Comissão, composta por individualidades de vários países (entre eles a viúva do anterior presidente dos EUA, Eleanor Roosevelt) fez o seu trabalho e apresentou o texto da DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS à Assembleia Geral da ONU de 10 de Dezembro de 1948 que a votou favoravelmente: votaram a favor 48 países (Portugal ainda não fazia parte da ONU nessa altura; só em 1955) e abstiveram-se oito (seis do bloco soviético, mais a África do Sul e a Arábia Saudita). Não se verificou nenhum voto contra.

 

 

 

Deixo-vos o texto integral da Declaração. Sabemos todos que ela está longe de estar cumprida: mutios dos direitos que ele consigna são espezinhados continuamente por todo o mundo, mesmo dentro dos países que a aprovaram e defendem. Sabemos, também, como, mais de 60 anos depois, muitos defendem a sua actualização para dar entrada a direitos que na altura não foram consignados e que a evolução dos tempos fazem impor.

 

Mas julgo que deveremos olhá-la com a dimensão que pretende conter: a de ser um guia para a evolução da Humanidade; um documento orientador para a defesa dos direitos dos indivíduos no quadro das sociedades em que vivem; uma trincheira de luta contra as barbaridades, iniquidades  e opressões de que ainda padece o mundo dos que sofrem, dos que são marginalizados, dos que são discriminados, dos que não vêem reconhecidos os seus direitos de raça, de religião, de pensamento, de liberdade de expressão e de reunião, organização, etc.; dos que vêem ser-lhes negados os direitos à autodeterminação, à comida, à sua educação e à educação dos filhos, aos cuidados médicos e à saúde, à cultura, ao lazer e ao desporto, à felicidade em geral.

 

 Vejam aqui os trinta artigos da Declaração e o seu Preâmbulo:

 

http://www.gddc.pt/direitos-humanos/textos-internacionais-dh/tidhuniversais/cidh-dudh.html

 

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D