Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Temposnotempo

Este é um blogue instrumental, feito sem veleidades. Penso nos meus alunos e na forma de o usar para lhes ser útil: experiência que se quer alimentada de experiências... e de invenções dos tempos que não temos tempo para ter...

Este é um blogue instrumental, feito sem veleidades. Penso nos meus alunos e na forma de o usar para lhes ser útil: experiência que se quer alimentada de experiências... e de invenções dos tempos que não temos tempo para ter...

Temposnotempo

01
Mar11

Arte Surrealista

temposnotempo

 

Ainda há pouco tempo esteve no CAE uma Exposição de trabalhos e publicações surrealistas.

 

http://aeiou.escape.expresso.pt/cartaz-exposicoes/debout-sur-l-oeuf-edicoes-surrealistas-miguel-de-carvalho:16-1141502

 

Existe na Figueira da Foz, aliás, um grupo de artistas surrealistas que tem promovido sessões de intervenção e que esteve ligado à organização da Exposição que vos refiro.

 

 

 

 

Os membros da "Secção do Cabo Mondego do Grupo Português Surrealista" (Cabo Mondego Section of Portuguese Surrealism)numa sessão de intervenção em Aveiro - Seixas Peixoto, Miguel de Carvalho, Rik Lina e João Rasteiro.

 

http://triplov.com/Surrealismo-atual/Pedreira/index.html

http://www.triplov.com/Miguel_de_Carvalho/Imprensa/2009/Figueirense.htm

 

 

Tudo começou nos anos 20 do século XX. O Manifesto Surrealista de 1924 estabeleceu as ideias principais deste movimento artístico que começando na literatura - poesia, teatro, romance -, rapidamente alastrou para as artes plásticas (pintura e escultura) e o Cinema, sobretudo.

 

Deixo-vos alguns exemplos complementares aos que trabalhámos:

 

Salvador Dali, Premonição (1936)

 

 

Salvador Dali, A Mão (1930)

 

 

Salvador Dali, Sonho Causado Pelo Voo de uma Abelha ao Redor de Uma Romã um Segundo Antes de Acordar (1944)

 

 http://andnowforsomethingcompletelysimilar.blogspot.com/2009/05/o-surrealismo-de-dali.html

 

 


Max Ernst, L'angelo del focolare ( 1937 )

 

http://afilosofia.no.sapo.pt/artecont.htm

 

 

 

René Magritte, O Terapeuta (1936)

 

Procurem encontrar nestes exemplos - e noutros que vos convido a espreitar para Chagall, Miró, Delvaux e muitos outros, portugueses incluídos (António Pedro, António Dacosta, Cândido Costa Pinto, Fernando Azevedo, Mário Cesariny...) - o essencial que destacámos para esta corrente, que, como vêem, continua viva e a estimular várias gerações de artistas de todo o mundo: a subversão da realidade (surreal=o que está acima, para além da realidade); o apego ao mundo dos sonhos; o apelo à fantasia, à imaginação e à liberdade completa do artista; o recurso aos "materiais" que habitam o nosso subconsciente-inconsciente, com os alçapões da nossa infância, criando imagens que, como diz o vosso manual "vão da serenidade do sonho à inquietação dos pesadelos" (Novo História 9, Texto Editores, Lisboa, 2008).

 

Espreitem:

 

http://www.historiadaarte.com.br/surrealismo.html

 

http://www.citi.pt/cultura/temas/frameset_surrealismo.html

 

http://www.suapesquisa.com/surrealismo/

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D