Este é um blogue instrumental, feito sem veleidades. Penso nos meus alunos e na forma de o usar para lhes ser útil: experiência que se quer alimentada de experiências... e de invenções dos tempos que não temos tempo para ter...
23.10.08

Jean-François Champollion      Um dos problemas centrais para a decifração das escritas antigas tem sido mesmo a dificuldade da tarefa: como códigos de escrita correspondentes a línguas mortas, e por isso desaparecidas - para além da dificuldade acrescida de em larga maioria serem ideográficas e não alfabéticas - como chegar à descodificação dos símbolos utilizados, à compreensão do seu lugar nos textos, à relação que cada sinal estabelece com os precedentes e os posteriores e por aí fora.

 

Para a escrita egípcia a "Pedra de Roseta" foi providencial. A partir dela Jean-François Champollion concretizou, em 1822, as bases do que até aí parecia impossível: após 15 anos de um persistente e empenhado trabalho de pesquisa pôde comunicar ao mundo que havia decifrado o complexo código da escrita hieroglífica!

 

Hoje "a Pedra" repousa no Museu de Londres, mas tem uma cópia fiel no Museu do Cairo que, como se percebe, não pára de sonhar com a recuperação do original

O Museu Britânico

Museu de Londres

link do postPor temposnotempo, às 22:59  comentar

Outubro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
17
18

19
21
22
24
25

27
28
30


Outubro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
17
18

19
21
22
24
25

27
28
30


contador
blogs SAPO