Este é um blogue instrumental, feito sem veleidades. Penso nos meus alunos e na forma de o usar para lhes ser útil: experiência que se quer alimentada de experiências... e de invenções dos tempos que não temos tempo para ter...
16.10.08

 
Atrás dos tempos
Eu pego na minha viola
e canto assim esta vida a correr
eu sei que é pouco e não consola
nem cozido à portuguesa há sequer
quem canta sempre se levanta
calados é que podemos cair
com vinho molha-se a garganta
se a lua nova está para subir

que atrás dos tempos vêm tempos
e outros tempos hão-de vir

Eu sei de histórias verdadeiras
umas belas outras tristes de assombrar
do marinheiro morto em terra
em luta por melhor vida no mar
da velha criada despedida
que enlouqueceu e se pôs a cantar
e do trapeiro da avenida
mal dormido se pôs a ouvir

que atrás dos tempos vêm tempos
e outros tempos hão-de vir

Sei vitórias e derrotas
nesta luta que vamos vencer
se quem trabalha não se esgota
tem seu salário sempre a descer
olha o polícia olha o talher
olha o preço da vida a subir
mas quem mal faz por mal espere
o tirano fez janela p´ra fugir

que atrás dos tempos vêm tempos
e outros tempos hão-de vir

Mas esse tempo que há-de vir
não se espera como a noite espera o dia
nasce da força de braços e pernas em harmonia
já basta tanta desgraça
que a gente tem no peito a cair
não é do povo nem da raça
mas do modo como vês o porvir


Letra e música: Fausto

 


In: "Fausto - Atrás dos tempos vêm tempos", 1996

       (com a devida vénia a http://natura.di.uminho.pt/~jj/musica/html/fausto-atrasDosTempos.html)

 

 

E já agora um convite para um outro dos seus temas mais conhecidos - querem experimentar?

http://br.youtube.com/watch?v=2O1xO-PqIMk

 

link do postPor temposnotempo, às 22:50  comentar

Outubro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
17
18

19
21
22
24
25

27
28
30


Outubro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
17
18

19
21
22
24
25

27
28
30


contador
blogs SAPO