Este é um blogue instrumental, feito sem veleidades. Penso nos meus alunos e na forma de o usar para lhes ser útil: experiência que se quer alimentada de experiências... e de invenções dos tempos que não temos tempo para ter...
21.10.09

 

 

 

 

Para os que quiserem mais e com uma língua que percebemos melhor, deixo estes episódios que têm a direcção científica de um dos grandes arqueólogos franceses: Yves Coppens (falecido há pouco tempo).

 

Aconselho-os vivamente.

 

 

 

link do postPor temposnotempo, às 23:39  comentar

 

Digo o mesmo que deixei na apresentação do filme sobre o H. Habilis.

 

São esforços de reconstituição; os computadores e os actores ajudam e tentam ajudar-nos a imaginar como poderão ter sido vividos essas longas e longas dezenas de milhares de anos.

 

Há muito material no Youtube, mas a maioria em inglês e francês...

 

 

 

link do postPor temposnotempo, às 23:13  comentar

     

 

 

SOBRE O MAIS ANTIGO ANTEPASSADO DO GÉNERO "HOMO" - o "Homo Habilis"

 

Com base nos esforços que vão sendo feitos pelos cientistas através das suas descobertas e estudos, aí está um pedaço de uma série que já passou na nossa televisão.

 

Vai em espanhol mas julgo que se percebe o principal... que são as reconstituições e as imagens!

 

 

 

Prof.

link do postPor temposnotempo, às 23:03  comentar

15.10.09

Tem menos de um mês a notícia: a apresentação ao mundo dos estudos feitos durante 17 anos sobre um belo e largo conjunto de ossos fossilizados de antigos hominídeos, que viveram na região da actual Etiópia, lá muito longe no tempo - há 4,4 milhões de anos -, bem no início do processo de Hominização.

 

O mais completo desses esqueletos é de uma fêmea, que foi baptizada, pelos cientistas, com o nome de "Ardi".

 

Terá tido este aspecto:

 

 


 http://historiasetemaia.blogspot.com/2010/11/ardi-ultima-descoberta-sobre.html

 

 

 

Para saberem mais sobre a notícia, espreitem outra notícia, publicada no jornal "Público":

 

http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1403329

 

E para irem ainda mais longe, espreitem um pequeno filme, que embora falado em espanhol, se percebe muito bem. Tem ainda explicações e imagens muito úteis!

 

 

 

Prof.

link do postPor temposnotempo, às 23:49  comentar

14.10.09

Também foi prometido para os oitavos: deixar uma ponte para o filme "O Nome da Rosa", realizado pelo Jean-Jacques Annaud, em 1986, tendo por protagonista Sean Conery, rosto (e corpo) de vários filmes da saga "007".

 

É um óptimo exemplo do que pode fazer a arte do Cinema pelo passado, pela História: imaginar como foi, face aos documentos, aos vestígios que dele nos chegaram; recriar, isto é, tentar colocar-nos perante pessoas, sentimentos, sensações, paisagens, mentalidades, modos de vida, técnicas, formas de arte, etc., etc..

 

Sobre o filme têm uma boa explicação no manual do 7º - p. 173. É uma história bem pensada, que decorre na primeira metade do século XIV, e que tem origem no livro, com o mesmo título, de 1980, do escritor Humberto Ecco e que teve um enorme sucesso mundial (bem antes dos Harry Potters & Cª).

 

Fiquem com dois aperitivos. Para verem a versão original requisitem na BE da escola (VHS) ou Na Biblioteca Municipal (DVD).

link do postPor temposnotempo, às 17:43  comentar

8.10.09

E também foi prometido - ainda às minhas turmas do 8º ano - este outro clássico do Cinema, referido no manual e com conteúdo ligado à Reconquista da Península Ibérica aos mouros invasores - "El Cid" (1961).

 

Deixo-vos com a cena de um dos torneios - uma justa - medievais, para gáudio da nobreza e assistentes. A violência de que se revestiam tais torneios está bem representada no realismo desta sequência de cenas.

 

 

 

 

link do postPor temposnotempo, às 23:38  comentar

O prometido é devido e cá vão - para as turmas do 8º ano - dois exemplos de alguns dos Robins que o Cinema recriou.

 

Espreitem!

 

 

 

O de 1958 (Erroll Flynn):

O de 1991 (Kevin Kostner):

link do postPor temposnotempo, às 23:26  comentar

4.10.09

Os ovos, que estavam depositados em ninhos de areia, têm entre 13 cm e 23 cm de diâmetro Foto: BBC Brasil

 

A notícia tem 3 dias! Transcrevo parte a partir da fonte:

 

Geólogos anunciaram nesta quinta-feira a descoberta de centenas de ovos de dinossauro em uma vila no sul da Índia. Eles afirmam que os ovos dos dinossauros saurópodes (quadrúpedes, herbívoros, geralmente com corpo grande, pescoço longo e cabeça pequena) teriam mais de 65 milhões de anos de idade.

A descoberta aconteceu por acaso. A equipe de cientistas estava escavando um local para achar o leito de um antigo rio no Estado de Tamil Nadu. Ao perfurar a terra, eles acharam camadas de ovos fossilizados.

Fotos e amostras foram enviadas para análise nos Estados Unidos, Europa e Índia, e pesquisadores confirmaram que os ovos fossilizados eram de dinossauros.

http://noticias.terra.com.br/noticias/0,,OI4015750-EI188,00-Cientistas+acham+centenas+de+ovos+de+dinossauro+na+India.html

 


Em 2005 a notícia era também sensacional:

 

Uma descoberta rara, descrita na edição de hoje da revista Science, vem lançar uma nova luz sobre a biologia reprodutiva dos gigantescos répteis que dominaram a paisagem terrestre há mais de 150 milhões de anos. Trata-se de dois ovos de dinossauro fossilizados que foram descobertos ainda dentro de um dinossauro fêmea.

De acordo com os cientistas que estudaram o achado, os resultados apontam no sentido do que já vem sendo defendido pelos paleontólogos nos últimos anos que as aves modernas têm antepassados dinossauros.

Os fósseis, que incluem os ossos do pélvis e dois ovos com a sua casca dura já formada, são do Cretáceo Superior e foram encontrados na região de Hongcheng , na província de Jiangchi, no sul da China, e estão agora depositados no Museu Nacional de História Natural de Taiwan.

Liderada pelo investigador Tamaki Sato, a equipa que avaliou os fósseis classificou-os como pertencentes a um oviraptossáurio, que é um subgrupo dos terópodes. Estes últimos são justamente os dinossauros que se pensa terem dado origem às aves modernas.

 http://dn.sapo.pt/inicio/interior.aspx?content_id=595810

 

 

 Mas em 2003 foi Portugal que chamou a atenção de toda a comunidade científica mundial!

Transcrevo:

 

O Museu da Lourinhã é conhecido pelos seus ovos e embriões de dinossauro, os únicos da Europa e dos mais antigos do Mundo. Desta vez o museu lourinhanense está a usar Tomografia Axial Computorizada (TAC) para descobrir se existem mais ovos com embriões, os ossos dos dinossauros antes de nascerem.

http://www.oesteonline.pt/noticias/noticia.asp?nid=3014

 

 

link do postPor temposnotempo, às 23:27  comentar

 

Mas tanto alarido em torno do RAPTOREX KRIEGSTEINI porquê?

 

 

Com frequência aparecem várias espécies novas de dinossauros. Portugal é um dos países com mais forte tradição na descoberta, estudo e classificação destes "lagartos (sauros) terríveis" (dino). Ainda em Março passado era anunciada a descoberta na Lourinhã (onde há um Museu e uma equipa de investigadores muito entusiasta e competente - http://www.museulourinha.org/pt/paleon_dino.htm - espreitem!) de mais uma espécie nova de estegossauros, baptizado com o nome científico de 'Miragaia longicollum', devido ao tamanho descomunal do seu pescoço.

 

 Sobre ele li na imprensa:    As escavações foram feitas em 1999 e 2001. Entre 2002 e 2006, os investigadores fizeram a preparação laboratorial dos fósseis, os moldes e as réplicas. O estudo iniciou-se então e ficou concluído em 2008. "O esqueleto não está completo, mas para um dinossauro é bom", adiantou ao DN Octávio Mateus, sublinhando que "o crânio está completo, o que faz dele o único crânio de estegossauro da Europa".

Em 2006 a equipa percebeu que aquele não era uma estegossauro como os outros. Este tem um longo pescoço de metro e meio, com 17 vértebras.

(http://dn.sapo.pt/inicio/interior.aspx?content_id=1173509#)

 

Mas e o Raptorex? Que tem ele de especial afinal?? Uma coisa essencial: apresenta há 125 milhões de anos atrás - época a que pertence o esqueleto encontrado - características que o T-REX que viveu 35 milhões de anos mais tarde, viria a apresentar. "É como estar a olhar para um T-rex em ponto pequeno", li no jornal "Público" de 18 de Setembro, e de lá tirei as medidas: 3 metros para o Raptorex contra os 12 do T-rex!  Uma evolução de formas e tamanhos que os paleontólogos vão ter que tentar explicar!

 

Os estudos do esqueleto encontrado na Mongólia vão pois continuar. Quando terminarem, o fóssil deste "tiranossauro" em miniatura regressará à China, onde se sabe que foi escavado de forma ilegal.

Por sorte foi parar nas mãos de Henry Kriegstein, coleccionador privado de fósseis que, percebendo as diferenças, o mostrou ao Paleontólogo norte-americano Paul Sereno, da Universidade de Chicago, que o estudou e revelou ao mundo.

 

 Espreitem-no abaixo... e ponham à prova o vosso inglês!!

 

 

 

 

 

link do postPor temposnotempo, às 22:51  comentar

3.10.09

Uma vez que falámos dele querem conhecê-lo melhor, aí vai uma outra achega documental: imagens das reconstituições que os artistas especializados nestas tarefas estão prontos a realizar a partir dos registos fósseis, neste caso para o RAPTOREX.

 

No Youtube encontra-se hoje um pouco de tudo: aí vai um pequeno filme com esses trabalhos - de desenhadores, pintores e escultores - a partir do esqueleto que foi encontrado! Uma maravilha!

 

Ah! e ainda uma outra coisa: tem música! E  é óptima! As imagens repetem-se, mas a canção não!

 

 

link do postPor temposnotempo, às 23:20  comentar

Outubro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Outubro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


contador
subscrever feeds
blogs SAPO